A CARREGAR

Escreve para pesquisar


Música

Fresh Finds: o melhor da música na última semana

Partilhas

 

Com tantas novidades a chegarem-nos do mundo da música, a escolha sobre o que ouvir primeiro pode tornar-se complicada. Para facilitar as coisas, começamos cada semana a oferecer-vos uma seleção de novos lançamentos, escolhidos a dedo para uma entrada em grande. Esta ronda de novidades conta com singles, álbuns e mixtapes de Jack Harlow, Flume, Kehlani, Jay Electronica, Guapdad 4000 e muito mais.

 

Flume, Toro y Moi: The Difference

São incontáveis os projetos colaborativos que aliam o produtor australiana a tantos nomes dentro da indústria musical – só na sua última mixtape, vimos Flume ombrear com slowthai, JPEGMAFIA, HWLS, Eprom e KUČKA. Para 2020, traz-nos uma novidade em conjunto como Toro y Moi, cuja voz remata o novo single de estreia “The Difference”.

A faixa filia-se na eletrónica pop inspirada em ritmos de drum’n’bass upbeat, com uma energia a apontar claramente às pistas de dança. “The Difference” já se encontra disponível nas diversas plataformas digitais, e faz-se acompanhar por um videoclip que podem ver aqui:

 

Kehlani: Toxic

A artista americana tem marcado presença nas listas de novidades do presente ano. “Toxic” é o terceiro lançamento oficial da parte de Kehlani, na esteira de “Change Your Life” e “Valentine’s Day (Shameful)”. G. Ry e KBeaZy assinam melodias oscilantes, num beat tão coercivo como os versos que sobre ele assentam; a voz de Ty Dolla Sign ecoa ainda em fundo, remetendo-nos para uma outra dimensão.

“Toxic” já se encontra disponível nas diversas plataformas digitais, e pode ser ouvido aqui:

 

The Killers: Caution

O aclamado quarteto de Las Vegas levanta o pano sobre o seu novo single “Caution”. Apesar do título sugestivo para uma época de quarentena preventiva (#staythefuckhome!), a música não é sobre a pandemia – bem pelo contrário, soa emancipatória e impulsiva. Os The Killers trazem-nos assim uma canção com ecos de Springsteen, percussão ampla e cheia, mas sem abdicar dos opulentos sintetizadores. Há ainda Lindsey Buckingham com um notável solo de guitarra, e Shawn Everett e Jonathan Rado – membros dos Foxygen – nos créditos de produção.

“Caution” encontra-se disponível nas plataformas digitais do costume, e faz-se acompanhar por um visualizer, que podem espreitar aqui:

 

Jay Electronica: A Written Testimony

O rapper de Nova Orleães sempre se mostrou averso aos imperativos comerciais da indústria musical, à urgência de lançamentos, e o seu álbum de estreia foi sendo consecutivamente protelado – primeiro como um admirável statement artístico, eventualmente já só como punchline de uma piada. Agora, treze anos volvidos desde a mixtape de estreia de Jay Electronica, o sebastiânico “A Written Testimony” está finalmente cá fora.

Ao longo de 40 minutos, Elpadaro Allah faz-se acompanhar por um elenco de luxo, com a presença de Jay-Z em quase todas as faixas – é, na verdade, quase um álbum a duas vozes. Travis Scott e James Blake surgem ainda em “The Binding”, e The-Dream em “Ezekiel’s Wheel” e “Shiny Suit Theory”. O disco está disponível nas plataformas digitais, e pode ser ouvido aqui:

 

Ojerime: B4 I Breakdown

As revelações de “Whiskey Demo”, “Empty” e “Give It Up 2 Me” já deixavam antecipar um novo álbum de Ojerime – faltava só a confirmação. Esta semana, chegou-nos aos ouvidos “B4 I Breakdown”, recheado de sonoridades que nos remetem para o mais clássico R&B da década de 90. O disco prolonga o estilo caraterístico de Ojerime, onde a texturização e as camadas de elementos sónicos acolhem a entrega emocional da artista londrina, que tanto discorre sobre saúde mental como explora a sua sexualidade.

O álbum já se encontra disponível nas plataformas digitais do costume, e podem ouvi-lo aqui:

 

Guapdad 4000: Greedy

Depois do sucesso do seu último álbum, o rapper de Oakland entra com o pé direito em 2020: “Greedy” é o seu novo single, inteiramente produzido pelo próprio Guapdad 4000. A capacidade narrativa do rapper não é motivo de surpresa, mas o progresso técnico é notável, com a entrega a aliar-se a uma métrica apuradíssima, sobre um sinistro instrumental em que os violinos amplificam a fome de sucesso de Guapdad.

Disponível nas diversas plataformas digitais do costume, podem ouvir “Greedy” aqui:

 

Bickle: Naked

“Naked” é o primeiro single oficial de Bickle, aka Travis Bickle, e também aka Bickleboy. A faixa surge como novidade de um artista emergente, mas Bickle já há muito que trabalha para isso, espalhando ao longo dos últimos anos as suas aventuras experimentais pela internet, desde o Bandcamp ao SoundCloud. O novo single deve ser assim encarado como o corolário destes anos de livre e despreocupada criação, revelando-se um hino pop, extrovertido e descomprometido.

O single chega acompanhado de um vídeo realizado pelo próprio Bickle, que podem espreitar abaixo – recomendamos também um mergulho pelos arquivos do artista.

 

1982 (Statik Selektah, Termanology): The Quarantine

Statik Selektah e Termanology juntaram forças sob o nome de 1982 para nos trazerem “The Quarantine”, mais um lançamento com um batismo apropriado para os dias que correm. A colaboração entre o produtor/DJ e o rapper do Massachusetts não é novidade – o último lançamento data de há dois anos – e o novo capítulo alinha pelo mesmo diapasão do boom bap, com uma lista de colaborações que apontam igualmente ao hip hop mais old school.

O projeto encontra-se disponível em formato de playlist no canal de Youtube “Hip-hop on the House”, e pode ser ouvido aqui:

 

THE ANXIETY: THE ANXIETY

Willow Smith e Tyler Cole juntaram forças para criar THE ANXIETY, uma dupla saída diretamente do coração da MSFTS MUSIC. O lançamento do seu álbum autointitulado projeta-nos para além da música nele contida, expandindo o universo dos dois artistas até à arte performativa, e explorando o espetro emocional do ser humano. O disco é um registo dessa ansiedade eclética, convocando coordenadas punk, lo-fi, e o ruído do rock de garagem de décadas idas.

“THE ANXIETY” encontra-se disponível nas diversas plataformas digitais, e pode ser ouvido aqui:

 

070 Phi: My Father’s Gun

O rapper da crew 070 é o mais recente nome a lançar-se em nome próprio, com “My Father’s Gun”. O disco traça a narrativa da própria vida de 070 Phi, abrindo a porta ao seu universo pessoal e debruçando-se sobre diferentes questões, desde as dificuldades passadas, as derrotas e os sucessos, sempre com um olhar analítico e introspetivo.

O álbum está disponível das diversas plataformas digitais, e pode ser ouvido aqui:

 

Benny The Butcher: Did I

O rapper novaiorquino revela o seu primeiro single do ano, “Did I”, produzido por Black Metaphor e Fuse dos 808 Mafia. A faixa conta com um sample de “Peak”, de Anne-Marie, cuja voz acolhe um piano, e, claro, a entrega de Benny The Butcher: “I bought my daughters flights to Cali just to keep ‘em out the cold/ You sell dope to feed your family, they gone treat you like you stole”. A faixa, embora sentimental, não abdica dos 808’s e convida ao head-bobbing.

“Did I” já se encontra disponível nas diversas plataformas digitais, e pode ser ouvido aqui:

 

Jack Harlow: Sweet Action

Jack Harlow decidiu antecipar as celebrações do seu aniversário com o lançamento do novo álbum “Sweet Action”. De forma sugestiva, Harlow levanta o pano sobre as relações e a vida boémia que prevalecem dentro do meio, tudo envolvido num flow caraterístico. Cosido pelas linhas do hip hop clássico, o disco convoca ao mesmo tempo uma estética pop que o torna uma série ameaça ao topo das charts –  “WHATS POPPIN” já o deixara bem claro.

O álbum de Jack Harlow já se encontra disponível nas diversas plataformas digitais, e podem ouvi-lo aqui:

 

Tom Misch & Yussef Dayes: Lift Off

Tom Misch, “menino bonito” da mais refinada pop inglesa, e Yussef Dayes, nome igualmente ilustre da jazz scene do sul de Londres, anunciaram recentemente um álbum colaborativo, batizado de “What Kinda Music” – acompanhado de um primeiro single, com o mesmo nome. Chega-nos agora o segundo avanço, “LIft Off”, testemunho da química evidente que une os dois artistas, que partilham as mesmas referências de jazz e funk mas que não se coíbem de lhes dar novas roupagens.

Ao longo de cinco minutos, assistimos a uma jam tão groovy quanto visceral, registada em vídeo pelas mãos de Douglas Bernardt. Podem espreitar aqui:

 

Mike11: Stay Home!

O miúdo que surgiu em vídeos virais, onde dedilhava a sua guitarra portuguesa sobre beats contemporâneos, afirmou-se entretanto como um artista de seu direito, conquistando novos mercados e emprestando o seu virtuosismo a produções de nomes como Scott Storch. Agora, chega-nos a primeira faixa de um EP de instrumentais, com o apropriadíssimo apelo de “Stay Home!”.

O single, que conta com a co-produção de M4sk e Areias, pode ser ouvido aqui:

 

Octavian ft. Skepta – Papi Chulo

Octavian está de regresso, e recrutou Skepta para uma reedição da collab que já nos trouxera “Bet”. A parceria londrina resulta em “Papi Chulo”, um tema carregado de libido, e que promete ser um hit imediato.

A acompanhar, temos ainda direito a um vídeo realizado por Lyle Lindgren, com cameos de A$AP Ferg, A$AP Nast, e Michael Phantom. Podem espreitá-lo aqui:

 

Phoenix RDC: Bonança

Para fechar a lista de sugestões nesta semana que nos pareceu apocalíptica, a promessa daquilo que vem depois da tempestade. “Bonança” é o mais recente single de Phoenix RDC, novo avanço do seu álbum “Vale D’Judeus”, com lançamento agendado para 22 de março.

Sobre um beat produzido por Boss AC – esse mesmo -, o rapper da Vialonga assume uma postura retrospetiva, olhando para a sua já longa carreira e para o sucesso que tardou mas chegou. O vídeo que acompanha o tema pode ser visto aqui:

 

doing nothing but creating

Tags:

Deixa um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *