A CARREGAR

Escreve para pesquisar


Partilhas

A história de amor entre o hip hop e as sapatilhas é longa. Correndo o risco de ignorar todo um passado não documentado, podemos atribuir o começo desta relação amorosa ao dia 29 de maio de 1986. Nessa data os Run-D.M.C. apresentavam o single “My Adidas”, uma homenagem às adidas Superstar, que se tornaria a primeira de muitas dedicatórias do género ao calçado desportivo. Seguiram-se temas clássicos e de naturezas tão diferentes como “Air Force Ones” de Nelly, “Nikes on my Feet” de Mac Miller, “23” de Mike WiLL Made-It ou “Classic”, produzido pela própria Nike, e que juntou DJ Premier, Rakim, Nas, KRS-One e Kanye West; sem mencionar as inúmeras referências isoladas. Daí às marcas começarem a convidar artistas para pequenas colaborações não foi preciso muito, até que Kanye West se tornou em 2009 no primeiro artista a assinar um modelo pela Nike – e o resto é história.

Mas… e em Portugal?

A relação sempre existiu, ainda que muitas vezes tenha pecado por timidez. Entre a frugalidade pregada pelos agentes do rap consciente – que durante muitos anos foram a representação maior do género em Portugal -, e uma falta de meios generalizada, estipulou-se uma regra não escrita de que falar sobre roupa era errado.

Até que em 2006 tudo mudou.

Os Mind da Gap, sob a forma do clássico “Tilhas? São sapatilhas”, falavam abertamente da sua paixão, num vídeo recheado de grails como as Nike Air Jordans, vários modelos de Dunk, Air Max 1, e até Air Force 1s personalizadas por Ace.

O rap em Portugal teria que esperar até 2010 para que outro tema fosse inteiramente dedicado a sapatilhas, quando Pródigo e TH remixaram “Beamer, Benz, or Bentley” de Lloyd Banks num sugestivo “Puma Nike adidas”. O single dos dois membros do Sistema Intravenoso infelizmente desapareceu do YouTube, mas desde então as referências a sapatilhas multiplicaram-se.

Diadora

Mundo e Presto – Não Faças Filmes (2003)

“Mais fora como as Diadora com a língua de fora”

O verso não menciona nenhum modelo em particular, mas entra na lista por ser a primeira menção a sapatilhas num som de rap português que eu conheça. Este tema, retirado da histórica compilação “Roka Forte Vol. 1” em 2003, mete Presto a mencionar a Diadora, no meio de um dos maiores exemplos de mestria métrica da sua carreira. O mesmo Presto viria uns anos mais tarde a imaginar-se “no país das sapatilhas, com um mega sorriso entre as orelhas”.

Reebok Pump

DJ Yoke & Mohad Sabre – Aveiro Basket (2009)

“Traz as Pump se queres saltar”

Seria impensável uma canção sobre basket não mencionar um único par de sapatilhas. Como seria de esperar, Mohad recomenda a linha Reebok Pump para melhores resultados na impulsão, neste som dedicado à cultura basket no Distrito de Aveiro.

Nike Air Force 1

TANB & Dikas – Hm Hm (2011)

“A minha mala é feita de pares de Air Force e ainda compro mais
E quando os brancos ficarem velhos vou buscar outros iguais
Podres? Jamais, o que eu tenho trato, visto que banco não dá
Estou a usar Air Force Neo Blanc, Air Force mais branco não há”

Que par de sapatilhas representa melhor o hip hop que um par de Nike Air Force 1 brancas? Certo é que nenhum modelo teve mais atenção do hip hop em Portugal que esse. Só no seio da Força Suprema, Masta dizia em 2005 que “brancas ou pretas combinam com as Air Force”; ou Prodígio que afimou no single “Kolossal” que “os seus Air Force são da cor de um bebé albino” e ainda se considera “sem comparação number 1 tipo as Air Force” em “Snifa Cada Linha”. Mas ninguém escreveu uma dedicatória tão apaixonada ao clássico como TANB em 2011, neste tema pertencente ao disco “Dia e Noite” que lançou a meias com Dikas, onde o rapper de Massamá recupera o chavão publicitário dos anúncios do detergente Neo Blanc para realçar o white-on-white das suas Air Force 1.

Converse Chuck Taylor All Star

Halloween – Drunfos (2011)

“Hey rapaz,
Não desperdices tanto tempo a andar
Atrás dos meus velhos All Star”

Allen Halloween representou uma ruptura no hip hop em Portugal não só estilística, mas também estética. O artista nunca escondeu o seu amor por Nirvana e pelo grunge, o que acabou por se refletir tanto na sua música como no seu visual. Camisa de flanela, calças slim e Converse Chuck Taylor All Star não era propriamente o conjunto mais fácil de encontrar em ajuntamentos de rap durante o final dos anos 2000, mas Halloween sempre o envergou sem medo. Não é portanto de espantar que em 2011 tenha recomendado à rapaziada que não seguisse os seus velhos All Star. Ainda bem que a rapaziada não deu ouvidos.

Nike Air Jordan & Clae Powell

Regula – mêmo a veres ft. Blaya (2014)

“J’s on my feet,
Claes on my feet”

Regula é definitivamente um dos rappers portugueses que mais atenção dá ao que calça e mais orgulho mostra nisso. Desde os constantes planos a destacarem o seu calçado nos vídeos, a fotos no Instagram onde orgulhosamente ostenta pares de Air Jordan em pandã com o filho, aos vários name drops a marcas que deixa em canções. Nesta colaboração com a Blaya, Don Gula deixa duas referências consecutivas: primeiro à marca do Jumpman e de seguida à marca independente americana Clae, surgindo devidamente calçado com umas Powell no vídeo.

adidas Tubular Shadow

Regula – Wake n Bake ft. Dillaz (2017)

“Mas easy quando tirares as medidas do fato
Ou a testa fica marcada com os adidas do Renato”

No final de 2016, na ressaca de um Euro inesquecível para Portugal onde fora figura, de ser coroado Golden Boy pela Tuttosport e de assinar pelo Bayern Munich numa transferência milionária, os holofotes do futebol europeu estavam apontados para Renato Sanches. A adidas decide então fazer dele a cara das adidas Tubular Shadow, um modelo claramente pensado para capitalizar o sucesso da primeira série das YEEZY Boost 350, posicionando-se como versão low cost da mesma. Claro que Bellini não podia deixar escapar a ocasião, e imortaliza o modelo da adidas que ficará para sempre associado ao prodígio da Musgueira.

Raf Simons x adidas Ozweego

YUZI – Tsubasa (2017)

“Look at my feet
Ozweego they be”

Que alguém fique tão feliz com um par de sapatilhas que lhe decida dedicar uma canção é definitivamente algo com o qual eu consigo empatizar. Tsubasa é a ode de YUZI às suas Raf, certamente um par digno de tamanha homenagem. Este tema junta-se à longa lista de dedicatórias recebidas por Raf Simons, vindas de toda a nata do hip hop norte-americano, e confirma o estatuto do designer belga como um favoritos da cultura – e com razão.

Sanjo

Regula – Nada a Ver (2017)

“Topo de gama da punch
Tirei a lama dos Sanjo”

Mais uma referência d’O Da Vila merecedora de destaque. Desta vez, à histórica marca portuguesa Sanjo, a pioneira do calçado desportivo no nosso país. Mais a mais, a marca de São João da Madeira tem dado cada vez mais sinais de querer regressar à ribalta. Com ações recentes tanto no Portugal Fashion como no Moda Lisboa, pode não demorar muito até outras menções aparecerem.

Nike Air Vapormax

ProfJam – Tou Bem ft. Lhast (2018)

“Vapor máximo como a Nike dá”

A linha Nike Air Max, sendo uma das favoritas das ruas, é também frequentemente alvo de dedicatórias e alusões. Embora de Portugal ainda não tenham chegado muitas referências, ProfJam serviu-se das Air Vapormax no seu single “Tou Bem” para uma frase que joga com o duplo sentido do nome do modelo.

Reebok Classic

Kappa Jotta & Amaro – Nah (2019)

“Se é p’a dar flex é porque eu posso
Clássicos na terra p’a pisar os teus Air Force”

A ligação de Kappa Jotta com a Reebok não é segredo, como também não é o amor do rapper da Linha C pela marca. Passada a época em que “para ter uns grif’s eram fatias e gramas”, Kappa Jotta agora apresenta-se orgulhosamente da cabeça aos pisos com Reebok (e Bana), como refere no tema “Tribo”. Já nesta “Nah” com Amaro, não mostra reservas em usar as suas Reebok Classic para pisar qualquer Nike Air Force 1 que se atravesse no seu caminho.

BAPE Bapesta Low

Sippinpurpp – Tudo Pago (2019)

“Em todo o mercado (Fácil)
De Viana até Faro (Fácil)
Com pisos de Tokyo (BAPE)
Em breve em São Paulo”

Sippinpurpp é um confesso fã de ostentação. As constantes alusões a marcas do segmento de luxo como Gucci ou Prada (cujas Cloudbust também já receberam atenção de Purpp) deixam patente que a intenção do membro da Think Music é mesmo de rechear o armário com o que de mais caro a vida oferece. Mas em “Tudo Pago” deixa duas referências, que embora expectáveis no género, são simultaneamente menos óbvias e mais louváveis: Alexandra Moura, por quem desfilou na temporada FW19; e BAPE Bapesta, aqui usadas para reforçar status e progressão. Falar do lendário modelo de Nigo – aliás, da BAPE no geral – é falar da história do hip hop: não é estranho que passados quase 20 anos desde a estreia dos Clipse o camuflado mais famoso do mundo continue presente no imaginário de género, estranho é que Portugal tenha passado ao lado disso todo este tempo. Outrora confinada a uma minoria mais atenta, a BAPE teve durante os anos 2000 pequenos vultos de visibilidade – exemplo é o vídeo de “Sobrancelhas”, tema que uniu Clã da Matarroa e Dino D’Santiago em 2006 -, mas quem melhor para despertar o interesse da nova geração pela marca que Sippinpurpp?

Leandro Lopes “Faísca”

NGA – R.N.V (2019)

“Tenho o vosso cachê nessas caixas de Leandro Lopes”

NGA, à semelhança de outros membros da Força Suprema antes mencionados, nunca teve problemas em ostentar posses e fazer referências a marcas opulentas. Dito isto, que o Rei da LS acabe por mencionar Leandro Lopes parece um desenvolvimento natural. A marca do designer português sediado na Alemanha é a materialização do hustling e opulência, sendo por isso tão popular entre a elite futebolística europeia e o rap norte-americano. Basta ver a lista extensa de celebridades que a usam, onde entram nomes como Offset, Gunna, Young Thug, Trippie Redd, Da Baby ou Farruko. Em “R.N.V.” NGA usa o preço das Leandro Lopes “Faísca” que calça no vídeo para mostrar como as coisas mudaram na sua vida. De resto, o seu parceiro Prodígio já tinha referido em “Nada” que tem “uma renda em cada pé, Leandro Lopes”.

Nike Shox TL

PNG – Nike (2020)

“Fui à loja da Nike e comprei um grif fresh
Levei as Nike Shox e também as Vapormax”

“Nike” de PNG é um dos mais recentes temas inteiramente dedicados a sapatilhas, ou que pelo menos as usa para assinalar um lifestyle. O membro da Dinero Gvng menciona em particular os seus vários modelos de Nike Air Max –Vapormax, 98 e mais – e as suas Nike Shox, que traz calçadas no vídeo que acompanha o tema. Tal como acontece com a linha Air Max, as Shox são uma das linhas Nike prediletas das ruas, sobretudo na Europa – Skepta assinou uma versão das TL e Neymar as R4. Longe vão os tempos em que a palavra Shox carregava uma conotação negativa, e o ressurgimento recente da linha cimentou em definitivo o estatuto das molas como um essencial da Nike.

adidas YEEZY

Riça – Napoleão Precário (2020)

“Visto um corta-vento da Kappa e um gorro da Carhartt
YEEZY nos pés, fico liso mas fresh”

Seria de esperar que a ligação de Kanye West com a adidas Originals, indiscutivelmente a mais importante que um rapper alguma vez manteve com uma marca, aparecesse com alguma frequência. Surpreendemente, não em Portugal – ou se as há ainda não me cruzei com elas. A menção improvável à linha YEEZY chega-nos das mãos do jovem rapper nortenho Riça. O membro da “Paga-lhe o Quarto” descreve o conjunto que veste antes de uma longa noite de peripécias ao serviço da Uber Eats, em “Napoleão Precário”.

A combater o vazio existencial com compras desnecessárias.

Tags:

Deixa um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *